Inscreva-se em nossa Newsletter:

 

 

Cálculo de Frete: entenda como é feita a precificação da frota

O gasto destinado ao pagamento de serviços de transporte compromete grande parte do orçamento empresarial e isso não é segredo. A questão é saber quais variáveis compõem o cálculo de frete e como se dá a formação do preço repassado pelas transportadoras.

No artigo de hoje, vamos esclarecer melhor esse assunto e — apesar das diferenças nos métodos e fatores considerados por cada parceiro — apresentar os principais pontos que influenciam no valor. Continue a leitura para saber mais!

Quais variáveis são consideradas no cálculo de frete?

O método utilizado varia entre as transportadoras, principalmente em decorrência das diferenças nos custos gerados com as operações. Entretanto, de maneira geral, pode-se afirmar que as principais variáveis são:

Frete peso

Quando se fala do peso de uma carga, utiliza-se como referência tanto o peso bruto (kg) quanto o peso cubado (m³). A cobrança é feita com base no maior valor entre os dois. O objetivo é fazer uma cobrança mais justa — evitando, por exemplo, que cargas muito volumosas, porém leves, tenham um valor baixo e ocupem muito espaço no veículo, impedindo que mais mercadorias sejam enviadas no mesmo transporte (gerando prejuízo).

Frete valor

É cobrado com base em um percentual sobre o valor da nota fiscal. Pode-se perceber que cargas que possuem alto valor agregado, por exemplo, geram cobrança de um frete mais caro.

Frete por quilômetro rodado

Considera a distância entre o ponto de origem e o destino da carga. Sendo assim, os clientes situados em regiões mais afastadas sofrem uma cobrança mais alta de frete.

Quais taxas e impostos incidem sobre o valor?

Além das variáveis, o cálculo de frete também sofre a incidência de taxas, que influenciam no valor final. Entre elas:

GRIS

É uma taxa cobrada com base em um percentual sobre o valor das mercadorias. Seu objetivo é cobrir os custos referentes ao gerenciamento de riscos e às medidas adotadas (pela transportadora) para combate ao furto e roubo das cargas.

Ad Valorem

O Ad Valorem funciona como uma espécie de seguro das cargas, porém a cobertura se dá quando os itens não estão em trânsito. O valor também é cobrado com base em um percentual sobre o valor da nota fiscal.

Pedágio

Dependendo da rota planejada para a distribuição dos itens, existe a cobrança de pedágio. Se as cargas forem fracionadas, o valor é rateado entre os clientes. Já no caso de carga lotação, o comprador arca com o custo total.

ICMS

É o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. Ele sempre será cobrado, quando um transporte for realizado.

Afinal, como é feita a precificação?

Além de todos os pontos abordados, vale lembrar que a transportadora também precisa cobrir os custos de suas atividades e ainda gerar lucro. Assim, questões como despesas administrativas, manutenção da frota e outros dispêndios devem ser incluídos no cálculo do frete.

Portanto, conhecer todos os gastos e definir uma lucratividade adequada de acordo com o mercado de atuação também são pontos fundamentais para uma cobrança adequada do frete e evitar que o fornecedor tenha prejuízos — que, no longo prazo, podem prejudicar a qualidade do atendimento e até mesmo comprometer a perenidade do negócio.

Definir, com precisão, como uma transportadora realiza suas cobranças é praticamente impossível, visto que existem questões que influenciam no cálculo de frete que vão muito além do peso da carga e a distância que será percorrida — as tabelas de frete servem para facilitar e agilizar a conta, apesar da sua complexidade.

Suas dúvidas a respeito do tema foram esclarecidas? Aproveite os comentários para compartilhar suas opiniões e experiências conosco. Participe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sistema de Gerenciamento de Transporte para Embarcadores